Obesidade e envelhecimento: como o peso pode influenciar na longevidade e na qualidade de vida

Publicado em 30/05/2024.

Tempo de leitura: 4.5 minutos.

Conforme envelhecemos, nosso organismo passa por mudanças que podem propiciar o aparecimento de certas condições de saúde. Mas, quando somamos a obesidade à essa situação, os riscos podem se tornar maiores.

Por isso, existe uma preocupação crescente com o controle do peso em pessoas mais velhas, envolvendo diferentes especialidades da saúde.

Então, entender com mais detalhes essa associação, bem como as formas de evitar complicações de saúde, é essencial para garantir a melhor qualidade de vida possível.

Doenças crônicas e envelhecimento

O excesso de tecido adiposo, ou gordura, produz algumas substâncias que estimulam a inflamação: as citocinas pró-inflamatórias.

Assim, uma pessoa com obesidade costuma ter uma inflamação crônica de baixo grau que, por sua vez, está intimamente ligada a algumas doenças relacionadas tanto à obesidade quanto ao envelhecimento.[1]Saltiel AR, Olefsky JM. Inflammatory mechanisms linking obesity and metabolic disease. J Clin Invest. 2017 Jan 3;127(1):1-4. doi: 10.1172/JCI92035. Alguns exemplos são:

Além disso, a obesidade também pode modificar o equilíbrio metabólico do corpo, promovendo a resistência à insulina e o acúmulo de gordura visceral.

Por isso, manter um peso saudável reduz bastante a chance de esses problemas se desenvolverem, embora não seja possível prevenir 100% dos casos.

Exercícios, mobilidade e qualidade de vida

A prática regular de exercícios físicos é de extrema importância para quem está enfrentando a obesidade, especialmente se levarmos em consideração a idade.

Isso se deve ao fato de que o exercício não só contribui para a perda de peso e redução da gordura corporal, mas também melhora a mobilidade e a qualidade de vida.

Assim, podemos dizer que o exercício trabalha diferentes estruturas e habilidades do corpo, como:

  • Massa muscular
  • Densidade óssea
  • Equilíbrio
  • Flexibilidade
  • Coordenação motora

A importância da massa muscular

Com o avançar da idade, ocorre naturalmente uma diminuição da massa muscular, conhecida como sarcopenia, que está associada à fraqueza muscular, perda de mobilidade e aumento do risco de quedas e lesões.[2]Envelhecimento, estresse oxidativo e sarcopenia: uma abordagem sistêmica. 2012. Rev. bras. geriatr. gerontol. 15 (2). https://doi.org/10.1590/S1809-98232012000200018

Portanto, investir na preservação e no fortalecimento da massa muscular por meio de exercícios de resistência é essencial para promover a autonomia e a capacidade de realizar atividades diárias de forma independente.

Além disso, a musculatura mais desenvolvida desempenha um papel importante no metabolismo e na saúde dos ossos, através do estímulo da produção de hormônios importantes para a formação óssea.

É possível prevenir a obesidade?

Sim, a obesidade é um problema que pode ser prevenido, independente da idade da pessoa.

Para isso, existem diferentes formas de lidar com a questão, como:

  • Mudanças na alimentação, de forma a evitar excessos de calorias e gorduras saturadas, por exemplo
  • Prática de exercícios físicos, tanto para aumentar o gasto calórico quanto para construir massa muscular
  • Intervenções comportamentais e psicológicas, para modificar a relação com os alimentos e com outras questões que possam levar ao ganho de peso
  • Monitoramento de questões de saúde que possam causar a obesidade, como taxas hormonais

E, caso a obesidade já seja um problema na vida da pessoa, existem profissionais especializados no seu tratamento.

Considerações nutricionais

O envelhecimento está frequentemente associado a questões nutricionais importantes, aumentando assim o risco de desnutrição e deficiências de micronutrientes.

Isso se deve a uma série de fatores, que incluem:

  • Mudanças no apetite
  • Dificuldades para mastigar e engolir corretamente os alimentos
  • Problemas de saúde crônicos
  • Alterações no metabolismo

Então, para garantir uma nutrição adequada e saudável, é preciso levar em consideração as necessidades individuais e os desafios específicos associados ao envelhecimento.

Para isso, existem estratégias práticas que podem te ajudar, lembrando que elas devem ser orientadas por um profissional de nutrição. São elas:

  • Planejamento prévio de refeições
  • Adaptação de texturas e consistências
  • Uso de suplementos nutricionais específicos, caso seja necessário
  • Acompanhamento regular de taxas hormonais e de nutrientes, para ir adaptando as estratégias

Desta forma, é possível promover o envelhecimento saudável e ativo, ao mesmo tempo em que se previne ou trata a obesidade.

Envelhecimento não é doença

Essa é uma frase que pode parecer algo simples e óbvio, mas nem sempre é assim.

Muitas vezes enxergamos o envelhecimento como sinônimo de doença. Mas, embora existam questões de saúde que podem se tornar mais comuns com o avanço da idade, essas condições podem ser evitadas ou amenizadas cuidando bem da saúde de maneira constante e regular.

E, além do acompanhamento médico periódico, é importante focar no bem estar emocional, cultivando sua rede de apoio e relacionamentos, sejam eles familiares ou de amizade, pois também são essenciais para manter a qualidade de vida e o bem-estar.

Então, nossa dica é encarar o envelhecimento como o que ele realmente é: uma parte natural da vida que pode ser aproveitada e levada com boa saúde, bem estar e leveza.

Referências

Referências
1 Saltiel AR, Olefsky JM. Inflammatory mechanisms linking obesity and metabolic disease. J Clin Invest. 2017 Jan 3;127(1):1-4. doi: 10.1172/JCI92035.
2 Envelhecimento, estresse oxidativo e sarcopenia: uma abordagem sistêmica. 2012. Rev. bras. geriatr. gerontol. 15 (2). https://doi.org/10.1590/S1809-98232012000200018

Compartilhe esta história...

Tratamento da obesidade: o que você precisa saber
Resultado do tratamento da obesidadeResultado do tratamento da obesidade: benefícios a longo prazo

Ver mais postagens do blog