Facebook pixel code

Cirurgia Revisional

Quando a cirurgia de revisão é necessária, é importante lembrar que ela traz múltiplos benefícios ao paciente.

Por Falando de Obesidade - Atualizado em 05 jan 2022, 19h:55 - Publicado em 04 jan 2022, 18h:16 Cirurgia Revisional

A cirurgia de revisão ou cirurgia revisional é um procedimento cirúrgico realizado após um procedimento bariátrico. Esse procedimento é adotado para tratar ou corrigir complicações da operação original, inclusive em casos de recuperação ou perda insuficiente de peso após a cirurgia bariátrica. [1]Mann JP, Jakes AD, Hayden JD, et al. Systematic review of definitions of failure in revisional bariatric surgery. Obes Surg 2015;25(3):571–4.

No caso de cirurgia para correção de complicações, é definida como revisão ou correção adequada e, no caso de não redução de peso, é melhor identificada como procedimento de conversão, pois na maioria dos casos esta segunda cirurgia envolve troca por outra bariátrica cirurgia. [2]Mann JP, Jakes AD, Hayden JD, et al. Systematic review of definitions of failure in revisional bariatric surgery. Obes Surg 2015;25(3):571–4.

Quando a cirurgia de revisão é necessária, é importante lembrar que ela traz múltiplos benefícios ao paciente. Essa revisão pode ocorrer devido a uma complicação pós-operatória precoce, em casos mais complexos e graves como sangramento, vazamentos, obstruções intestinais e estenose anastomótica que geralmente ocorrem menos de 30 dias após a cirurgia e em todas essas situações a revisão tem a função de solucionar um emergência ou complicação.[3]NShimizu H, Annaberdyev S, Motamarry I, et al. Revisional bariatric surgery for un- successful weight loss and complications. Obes Surg 2013;23(11):1766–73.

Outra situação poderia ser uma revisão tardia, após 30 dias da cirurgia, em geral para situações menos graves, casos mais prolongados ou menos urgentes como hérnias internas, úlceras anastomóticas, estenose parcial e retirada de elementos protéticos como anéis ou bandas gástricas.

A cirurgia de revisão também é recomendada para situações de graves alterações nutricionais e metabólicas, como desnutrição ou deficiência de vitaminas e oligoelementos.

Outra situação de sua aplicação, quando é chamada de cirurgia de conversão, é trocar ou modificar a técnica de operação por outra. Esta solução é adotada nos casos de falha de redução de peso da cirurgia original; É uma cirurgia eletiva que deve ser totalmente avaliada do ponto de vista estrutural, e mesmo estudando detalhadamente os hábitos nutricionais e psicológicos do paciente. Essa solução, por exemplo, pode ser adotada na conversão de uma gastrectomia vertical em um bypass gástrico ou outros procedimentos de bypass, como o bypass com uma única anastomose. [4]Mann JP, Jakes AD, Hayden JD, et al. Systematic review of definitions of failure in revisional bariatric surgery. Obes Surg 2015;25(3):571–4.

Para quem é a cirurgia de revisão e quais são os riscos?

De forma muito clara e direta, a cirurgia de revisão só está indicada em dois casos: nos pacientes com falha na redução de peso e nos que sofreram complicações precoces e à distância.

Quando uma cirurgia é abordada, estão sempre apresentados os possíveis riscos que ela pode trazer ao paciente, nos casos de cirurgias de revisão esse risco está proporcionalmente relacionado à gravidade, ao tipo de complicação e à complexidade do procedimento.

Felizmente, na maioria dos casos, o procedimento de revisão consegue solucionar o problema com sequelas mínimas e baixo índice de efeitos colaterais. Os casos mais complexos são fístulas gástricas crônicas que às vezes requerem várias cirurgias de revisão e intervenções mais radicais.

Na cirurgia de conversão os riscos são menores, isso por se tratar de um procedimento programado, estudado e com uma estratégia já clara e definida. As complicações que podem ocorrer são apenas aquelas relacionadas à eventualidade de uma complicação pós-operatória precoce com as mesmas características das complicações afetadas pela cirurgia primária.

A cirurgia de revisão é geralmente mais complexa do que outros procedimentos porque, se for uma complicação, o paciente pode ficar mais instável, inflamado ou talvez com outras complicações. A abordagem cirúrgica de um abdome com cirurgia prévia e com anatomia intervencionada implica em maior complexidade para a realização de qualquer procedimento, seja para resolução de complicações ou cirurgia de conversão eletiva.[5]Brethauer SA, Kothari S, Sudan R, et al. Systematic review on reoperative bariat- ric surgery: American Society for Metabolic and Bariatric Surgery Revision Task Force. Surg Obes Relat Dis … Continue reading

Qual técnica é usada na cirurgia revisional?

Nas cirurgias de revisão, médicos especialistas apontam que não é aconselhável utilizar a mesma técnica, que é conhecida como “Refazer”, isso porque a segunda e a utilização da mesma técnica cirúrgica não são eficazes nos casos de falha na redução de peso.

Um exemplo clássico é o chamado “roll-up”, onde no caso de um paciente com manga com falha de redução de peso, é realizado um “corte de manga”, ajustando-o a uma manga menor. Esse procedimento, além de não produzir grande redução de peso, apresenta maior índice de complicações, gerando maior índice de refluxo gastroesofágico. Neste caso, é mais aconselhável converter para um bypass gástrico.

Ao mesmo tempo, nos casos de revisão por complicações, por definição médica é usual manter a cirurgia original, pois visa corrigir a complicação. E, nesses casos, devem ser realizadas quantas cirurgias forem necessárias para a resolução total do problema, sem limites para isso.

No caso de cirurgia de conversão por falha na redução de peso, a revisão deve ser dada em apenas uma oportunidade, pois sabe-se que o resultado nesses casos não é tão eficaz quanto na primeira cirurgia. Além disso, muitos desses pacientes apresentam sintomas psicológicos associados e hábitos alimentares que não são resolvidos com a repetição de cirurgias. [6]Coblijn UK, Verveld CJ, van Wagensveld BA, et al. Laparoscopic Roux-en-Y gastric bypass or laparoscopic sleeve gastrectomy as revisional procedure after adjustable gastric band–a systematic review. … Continue reading[7]Mognol P, Chosidow D, Marmuse JP. Laparoscopic sleeve gastrectomy as an initial bariatric operation for high-risk patients: initial results in 10 patients. Obes Surg 2005;15(7):1030–. [8]Gautier T, Sarcher T, Contival N, et al. Indications and mid-term results of conver- sion from sleeve gastrectomy to Roux-en-Y gastric bypass. Obes Surg 2013; 23(2):212–5.

Todo cirurgião bariátrico está capacitado para realizar uma cirurgia de revisão?

A cirurgia de revisão requer um profissional médico com vasta experiência em cirurgia bariátrica e, geralmente, um especialista bem treinado deve ser capaz de realizar todas as técnicas de cirurgia bariátrica disponíveis e também ter as habilidades para realizar a cirurgia de revisão. [9]Gagner M, Deitel M, Erickson AL, et al. Survey on laparoscopic sleeve gastrec- tomy (LSG) at the Fourth International Consensus Summit on Sleeve Gastrec- tomy. Obes Surg 2013;23(12):2013–7.

O que não se admite é que a cirurgia de revisão seja abordada por um cirurgião geral ou digestivo que não tenha experiência bariátrica, situação que pode ocorrer em caso de atendimento de emergência, mas é sempre importante estar sob os cuidados de cirurgiões bariátricos para que eles possam cuidar de toda a sua especialização neste tipo de caso.

Referências[+]

Assine nossa newsletter